Início » Educação a Distância » Empresas decidem tomar as rédeas da geração de conhecimento

Empresas decidem tomar as rédeas da geração de conhecimento

As empresas investem cada vez no gerenciamento do conhecimento gerado internamente. O principal elemento desta tendência é o avanço das Universidades Corporativas. O e-learning corporativo movimentará no próximo ano US$ 7 bilhões no mundo todo. No Brasil, o potencial é movimentar algo em torno de R$ 1 bilhão. Uma das iniciativas mais recentes é a Universidade Carrefour, que entrou em funcionamento há cerca de dois meses.

As universidades corporativas são resultado da necessidade de capacitação dos funcionários num cenário cada vez mais instável, competitivo e complexo. As empresas necessitam que seus funcionários aprendam, mas, acima de tudo, tragam resultados concretos para as suas atividades. E resultados mensuráveis, com objetivos definidos.

Na contramão desta realidade, profissionais que procuram a titulação para usar como cartão de visitas sofrem de miopia. O diploma de uma consagrada universidade ajuda, mas somente enquanto se está fora da empresa. Transformar esse conhecimento aprendido em desempenho no trabalho é o verdadeiro fator crítico para se sustentar uma carreira no novo cenário.

A Caixa Econômica, por exemplo, tem atrelado cada vez mais o fornecimento de bolsas de estudo ao alcance de resultados nos setores em que o bolsista atua. Exemplo: se um funcionário do setor de cobrança solicita uma especialização em crédito, o fornecimento da bolsa integral será atrelado ao alcance de uma melhoria no fornecimento de crédito do setor (uma redução de 10% na inadimplência, por exemplo). Seguindo na mesma linha, na UniAlgar os funcionários só recebem certificação após desenvolverem um projeto que possa ser executado dentro da empresa.

As universidades tradicionais observam este fenômeno e perguntam: por que não nos convidaram para esta festa? A justificativa das corporações é que as universidades não têm o foco no negócio que as empresas precisam. Alguns gestores comentam: “Elas precisariam estender esse processo de disseminação para toda uma cadeia de valor, envolvendo clientes e fornecedores, mas elas pouco entendem do nosso negócio.”

Isso ocorreu em boa parte porque os cursos de graduação não são focados em determinado ramo de atividade ou em determinada empresa, com necessidades específicas. No entanto, as empresas precisam gerar pessoal com conhecimento e capacitação para atender às suas necessidades particulares.

No Brasil, por enquanto, as universidades brasileiras se colocam como meras fornecedoras de conhecimento para estas empresas, mas não está claro que o conhecimento ainda continuará a ser gerado nestas universidades. Muita coisa ainda está por se definir nos próximos anos e o papel das universidades, neste novo cenário, passará por mudanças. Cabe às universidades definirem que papel deverão ter.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: